segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

O Brasil precisa de filosofia

Todos se admiram quando assistem aquele comercial que diz que "não são as respostas que movem o mundo, mas sim, as perguntas". A frase é bonita, e muitos que ficam boquiabertos com a sua genialidade mal têm ideia de que ela trata do valor da filosofia. É uma contradição; pois o fato é que a filosofia é subestimada pelas pessoas.

Nas escolas, o ensino da Filosofia e da Sociologia é imposto; na prática, entretanto, nenhuma delas é levada à sério.  "Todo filósofo é louco", costumam dizer.

É uma pena que o Brasil ainda não tenha aprendido a importância da filosofia. A filosofia nada mais é que a ciência do próprio pensar, das idéias, dos questionamentos a respeito do mundo -  questionamentos estes que levam às formações de conceitos e opiniões. Como pode uma sociedade avançar sem pensadores? Como pode um país alcançar qualidade em seus padrões sem cidadãos capazes de formar a própria opinião?

A verdade é que o brasileiro tem preguiça de pensar. O brasileiro gosta de coisa mastigada, lucro fácil, tudo pronto, tudo "na mão". Prefere "dar um jeitinho" a pensar por si próprio e encontrar uma maneira honesta de conseguir as coisas. 

Por isto neste país não se valorizam as artes, as ciências humanas e sociais. Porque elas tratam do meio, e não do fim. Porque elas exigem o pensar, o refletir, o questionar. Como consequência deste desprestígio, os trabalhos profissionais nesta área são mal remunerados, o que só vem a contribuir para que a sociedade as desrespeite e menospreze.


O brasileiro adora repetir chavões sobre educação. Ninguém discorda que somente com a melhoria da educação é possível fazer nosso país progredir. Entretanto, acha-se muita gente desacreditada na filosofia, na sociologia, nas ciências humanas; gente esta que nunca parou para pensar que a base da educação está no próprio filosofar, pois sem filosofar não se quer saber nada, e sem querer saber não se construi aquilo que se ensina; gente esta que nunca parou para pensar se o fato de os países por ela considerados "avançados" valorizarem as ciências humanas e sociais, quer dizer alguma coisa; enfim, gente esta que nunca parou para pensar; ponto.

Um comentário:

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Ana, FELIZ 2012!
Estou de volta... e aqui acompanhado o seu sensível blog.
Abraços,