quarta-feira, 27 de outubro de 2010

CD "Divas do Jazz"


A coletânea Divas do Jazz foi lançada pela Somlivre em 2003, e logo quando a propaganda começou a circular eu fiquei encantada. Tinha apenas 13 anos, já tinha uma certa afinidade com o jazz mas ainda conhecia pouco. As faixas me encantaram e eu fiquei louca pelo CD, louca para comprá-lo, mas como não conseguia juntar muito dinheiro e tampouco tinha coragem de pedi-lo de presente, postergava a compra, mantendo-o sempre na minha lista de desejos. 


Acontece que este CD ficou na minha lista de desejo por tempo demais - 6 anos, na verdade. Quando enfim tinha condições de comprá-lo, descobri que praticamente não havia mais dele à venda no Brasil. Procurei insistentemente em todas as lojas virtuais e não encontrava nenhum CD garantido, apenas lojas que prometiam tentar obtê-lo junto ao fornecedor. Precisei importar o meu Divas do Jazz, e não me arrependi: nem foi tão caro, e ademais, eu sabia que era o máximo. Constituem recordações da minha adolescência escutar as faixas nos canais de música de portais da internet...

Por muito adorar este CD, resolvi comentá-lo faixa por faixa:

1. As time goes by (Carly Simon)
O clássico tema do filme "Casablanca" casou perfeitamente com o estilo tranquilo de Carly Simon. Há um solo de gaita muito gostoso no final.

2. Smoke gets in your eyes (Patti Austin)
A atmosfera tranquila é mantida com esta regravação de Patti Austin. A canção original é bem triste e dramática (apesar de igualmente apreciável), e esta versão ficou mais doce, realmente ótima.

3. Stormy weather (Etta James)
Depois das vozes ternas e calmas de Carly e Patti, vem a voz forte e viva de Ella, neste grande clássico romântico mas com um toque de melancolia...

4.The look of love (Dusty Springfield)
Esta canção me traz uma paz tão grande... Já gostava antes de ouvi-la no CD, sempre me encantou o seu instrumental limpo e a voz rouca de Dusty Springfield. Uma canção romântica, calmíssima, gostosa...

5. My love (Diana Krall)
Aqui temos o jazz sofisticado e suave de uma jovem diva do jazz.

6. How insensitive (Laura Fygi)
Regravação do (nosso!) mestre Tom Jobim. A interpretação é perfeita, e o clima da canção acompanha o sentimento da letra.

7. My baby just cares for me (Nina Simone)
A primeira canção mais alegrinha do CD, embora não deixe de ser tranquila. Tempos depois procurei conhecer melhor a obra de Nina Simone e fiquei encantada.

8. Night and day (Ella Fitzgerald)
Ella é uma das minhas cantoras de jazz favoritas de todos os tempos, dona de uma voz impecável e excelentes interpretações... E esta canção é um dos clássicos de seu repertório.

9. L-O-V-E (Natalie Cole)
Canção divertida e alegre, sem fugir do tom "jazz sonoramente tranquilo" que o CD assume.

10. Unforgettable (Aretha Franklin)
Confesso que nunca tinha dado o devido valor a esta canção de Nat King Cole antes de ouvir esta interpretação da rainha do soul. As mudanças na estrutura e, claro, a voz inconfundível de Aretha me fizeram prestar atenção na beleza desta canção... Que letra tão linda! Passa um sentimento muito forte, e até me identifiquei.

11. Fly me to the moon (Julie London)
Super hiper clássico, e esta regravação é um pouco diferente, Julie London canta de uma maneira mais sorrateira, mais corrida, menos doce... Ficou interessante.

12. In a sentimental mood (Sarah Vaughan)
Outra canção que me transmite muita paz e bem estar, talvez por ter pouco instrumental, e o pouco que tem é bastante significativo. A voz de Sarah também dá o tom perfeito, é linda e ela canta maravilhosamente bem...

13. Moonlight serenade (Thelma Houston)
Gosto da atmosfera sombria desta canção, Carly Simon também já a gravou.

14. All that jazz (Chicago All Stars)
A última faixa é justamente a que mais destoa das demais, por ser mais vibrante, afinal, faz parte da trilha sonora de um musical de grande sucesso, mas ficou legal para fechar o CD.

Enfim... Este é um CD para acalmar e encantar-se, e claro, para apaixonar-se pelo jazz. Foi o que aconteceu comigo aos 13 anos de idade, e até hoje mantenho o deleite.

Jovens costumam detestar jazz (a reação dos adolescentes no filme "Vem dançar" quando o personagem de Antonio Banderas insiste em ensiná-los a gostar de jazz é a representação perfeita), e eu compreendo mas não consigo determinar o motivo. Talvez porque soe antigo, ou por ter uma atmosfera muito formal... Mas eu gosto, eu vejo intensidade e calmaria ao mesmo tempo, eu aprecio as grandes vozes e os clássicos standards. Remete-me a um tempo passado, a sentimentos diferentes, traz paz e nostalgia... Se eu puder transmitir aos meus filhos ao menos uma ideia, ainda que imprecisa, do que estes sentimentos significam, darei-me por satisfeita.  

5 comentários:

Anônimo disse...

Ola, eu tenho 17 anos e gosto dessas músicas, escuto Billy Paul e etc. Eu aprendi a gostar dessas músicas com a minha mãe e padrasto, quando eu tinha 12-13 anos e até hoje escuto, gosto delas por causa dos ritmos e letras bonitas!

raygomez.nonato8@gmail.com disse...

ana, eu conprei logo q foi lançado e dos muitissimos q tenho este é o meu preferido e transmita pra seus filhos netos e bisnetos pq com certeza vc será como a boa musica viverá anos e anos, eu ouço sempre mas há duas imperdíveis dusty e nina simone e em tempo experimente ouvir emily sandé, terminei de compra-lo, importado mas vale apena,é luxo só, fique com DEUS big abraço.

R. Antonio disse...

Esse CD de fato é muito raro atualmente por estar fora de catálogo, inclusive algumas músicas dele também são difíceis de encontrar.

Adquiri o meu CD a um bom tempo, todas as faixas são maravilhosas, porém, Dusty Springfield - The Look of Love e Thelma Houston - Moonlight Serenade são especiais.

Ana, lendo seu relato percebo que é uma mulher culta, inteligente e que tem bom gosto, continue assim, meus parabéns.

R. Antonio

Marcos disse...

Olá, Ana.

Comprei este CD na semana que foi lançado.. amo demais. Como perdi o CD (e o vento levou..rs) e restou apenas a capa.. hoje cato as musicas no spotfy. Tenho 37 hoje.

Abraços,
Marcos

edielson oliveira disse...

procurei por anos essa música de Etta James por causa de uma propaganda da som livre, sem querer encontrei hoje nesse blog.