terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Jack & Jill


Por que não fazem mais séries como “Jack & Jill”? Eu adoraria ver mais séries assim, no maior estilo comédia romântica mas ao mesmo tempo cheia de momentos reflexivos, com personagens andando pelas ruas de Nova York e tentando entender como funciona o amor.

Se bem que, pensando melhor, talvez esta fórmula tenha sido utilizada até o seu esgotamento em “Jack & Jill”. Okay, posso ter exagerado ao dizer isso. Com um pouco de criatividade, seria possível criar outra série nos mesmos moldes.

Porém, não seria a mesma coisa. Certa vez, em um blog, lembro-me de alguém fazendo um comentário sobre a série “Popularidade” (“Popular”, de Ryan Murphy): Pouca gente assistiu, mas quem assistiu lembra até hoje. “Jack & Jill” também funciona assim.


Não é um seriado que cativa a qualquer um. Tem toda essa história de seis jovens tentando encontrar o seu caminho, meio perdidos entre problemas que envolvem empregos e relacionamentos. Tem comédia, tem muito romance, e tem esse drama poético e sentimental ao qual me referi no anterior texto que postei aqui no blog. Tem situações bobas, mas definitivamente não é um seriado fútil. As coisas que acontecem com os personagens acontecem conosco, com muitas pessoas, todos os dias.

Mas quem se identifica com tudo isso e se propõe a assistir tudo, todos os episódios (ao menos os da primeira temporada), do começo ao fim, acaba se apaixonando. E nunca esquece. É uma pena que nunca mais tenham reprisado “Jack & Jill” tampouco disponibilizado de alguma forma: nunca foi lançado nenhum DVD e encontrar downloads dos episódios na Internet é uma tarefa difícil.

“Jack & Jill” tem um quê (muito pequeno) de “Friends”, já que também mostra um grupo de seis amigos, sendo três de cada sexo, e eles acabam se envolvendo uns com os outros. Tem um quê de “Felicity” e outras séries do gênero, já que a história também se passa em Nova York e os personagens estão todos tentando lidar com os dilemas da vida adulta. Tem um quê de “O casamento do meu melhor amigo”, “Kate & Leopold” e outras comédias românticas afins, por causa da temática central, que é o complicado romance dos protagonistas. Mas no fim das contas, acaba não lembrando nada de tudo isso, porque é uma série única, com personagens cativantes e uma história linda e muito bem construída.  

Um comentário:

Júnia disse...

Nossa
tempão que nao via Jack & Jill
Na época em que passava eu não tinha TV por assinatura e ficava dependendo do SBT (ai que desespero)
Adorava ver as confusões amorosas dos personagens e o cabelo da Jill então!!!!
Obs: obrigada pelo carinho de ter passado no Vintage hoje
bjo